terça-feira, 9 de outubro de 2007

O Olhar do Morto


Se o olhar do cego pode mostrar o que não se quer ver, que dizer do olhar do morto? Morto no corpo, “vivo” no olhar. Olhar de olhos mortos. Se o corpo fala, os olhos GRITAM!! A morte silencia a voz e amplifica a linguagem do olhar. Do olhar do morto no olhar do vivo.

Corpo estático, olhos abertos, olhos parados, envidraçados e fitos. Fitos no infinito, no infinito das nossas culpas, descaso e desculpas. Melhor fechá-los, melhor não vê-los, silencia-los, melhor conte-los. O que está morto e enterrado dentro de nós, ganha vida no olhar do morto. Antes que se feche a caixa fúnebre, são abertas as sepulturas da nossa alma lúgubre, onde construímos covas profundas, sepultamos as experiências de crescimento pessoal, exumadas pelo olhar do morto. Olhar que descortina o íntimo e o põe na vitrine da consciência.

3 comentários:

Crítica e denúncia disse...

Vim conhecer o seu pedaço e convidar para vir brigar no meu pedaço, grande beijo e muito prazer, Alda Inacio

Márcio de Souza disse...

Simplesmente espetacular!!!!!!!!!!!

Paulo disse...

muito bom, mais pessoas deveriam ler...